Germes Mentais

Microorganismos.png

Pensamentos competem por espaço em seu cérebro:  fotos, notícias, estruturas de crença, gifs, vídeos e a quantidade de coisas nas quais você pode pensar é ilimitada. Um pensamento sem um cérebro para pensa-lo, morre.

Nós podemos tratar pensamentos como se estivessem vivos. Especialmente vivos como germes(lat. germen célula ou grupo de células que serve para a reprodução e que, com outra célula, origina, por divisão celular, novos seres da mesma espécie). Pode soar estranho mas veja esse exemplo: Piadas. Piadas são germes do pensamento que vivem no seu cérebro –  e quando você conta a piada para outro cérebro, você ajuda ela a se reproduzir. Como se você tivesse gripado e espirrasse, ajudando na reprodução do germe da gripe.
Entrando em sites de redes sociais então, é expor você mesmo a espirros mentais e todo mundo!  Cada postagem é um germe do pensamento tentando chegar em seu cérebro  – se não por residência permanente, por tempo suficiente para você apertar o botão de compartilhar e espirra-lo para todos que você conhece.

Assim como germes aproveitam os pontos fracos em seu sistema imunológico, os germes mentais aproveitam-se dos pontos fracos em seu cérebro (emoções). Uma vez dentro, germes mentais que pressionam botões emocionais fazem seus hospedeiros espalha-los mais – bem mais. Exceto tristeza, germes mentais tristes não chegam muito longe.

lista.jpg

 

Admiração/receio é excelente, por isso sites que constroem germes mentais como armas biológicas, se armam com títulos como “ As 7 coisas que vão te chocar!” ou “O segredo por trás de tal coisa”
Mas a raiva é a melhor arma para um germe mental. Raiva passa pelo seu sistema imunológico mental e te faz compartilha-la mais o que qualquer outro sentimento.

Estar ciente dos pontos fracos do seu cérebro é necessário para uma boa saúde mental, porque mesmo sem construção intencional, qualquer germe mental pode, sozinho, ficar cada vez mais infeccioso a medida que se espalha.
Cada foto já tirada é um germe mental, e a maioria morre rapidamente como o zilhão de fotos de filhotes ou bebês postados na internet que nunca serão compartilhadas. Mas a foto de um filhote moderadamente engraçada pode se tornar algo muito maior, porque assim como vôos transatlânticos foram a melhor coisa que aconteceu para os germes, em termos de reprodução, a internet é a melhor coisa que já aconteceu aos germes mentais. Uma vez a bordo, aquela foto engraçada do filhote pode pular para outros cérebros, e esses podem compartilha-las, e aqui está o ponto principal, ocasionalmente, fazer edições para torna-las mais engraçadas ainda. O que resulta em mais mudanças e uma chance de se tornar algo gigantesco. Assim, uma foto de um filhote pode conquistar domínio mundial (pelo menos por algumas horas, no máximo, alguns dias).
A internet, com sua incomparável habilidade de compartilhar e aleatoriamente mudar germes mentais não tem como evitar deixa-los mais fortes. Com piadas isso é ótimo – mas com germes de ódio nem tanto.

Germes de ódio, quando são compartilhados passam pelo mesmo processo, mudando e distorcendo-se para ser mais agravante (vemos isso não só na internet!). Estes tem uma chance melhor de se espalhar que seus rivais mais corretos, porém mais chatos. Mas assim como pragas, germes mentais põem queimar uma população rápido demais. Acompanhe seu site favorito por uma semana e verá o ciclo de vida das postagens. Porém alguns germes acharam uma maneira de passar por este problema.
Germes pensamento podem sumir rápido, porque assim que todos concordam, é difícil continuar alimentando-os ou pensando sobre eles. Mas se houver um germe do ódio opositor, que argumenta, o pensamento nunca para. A discórdia não precisa ser odiosa, mas novamente, ódio ajuda. Quanto mais visível uma discussão fica, mais observadores ela atrai, o que deixa ela mais e mais visível, e é por isso que todo o grupo, do fórum mais inócuo da internet até o mais famoso pode se tornar numa verdadeira guerra virtual em pouco tempo.
A esse ponto você já deve ter notado que os germes já não mais competem, e sim cooperam, pois trabalhando juntos conseguem atingir mais mentes o que conseguiriam sozinhos. Germes mentais de lados opostos de uma discussão são simbióticos (yin yang).
Uma arma frequentemente usada pelos germes de ódio simbióticos em particular é o “você está conosco ou contra nós”, o que torna muito difícil para cérebros neutros resistirem e a tendência de divisão também cresce. Isso explica porque, em algumas discussões, ganhar mais aliados é também ganhar mais inimigos. Porque embora os participantes pensem que estão envolvidos em uma batalha flamejante até a morte, da perspectiva o germe um lado é um campo de flores, o outro um monte de borboletas.

 

borboletas.jpg
Se existe algum argumento que divide a população e dura tanto tempo que nem a pessoa mais neutra acha-o difícil de ignorar, você pode estar olhando para um par simbiótico de germes mentais do ódio, com sucesso incrível que atingiu estabilidade ecológica (yay!).
Quando grupos opostos ficam grandes o suficiente, eles não discutem mais com o outro, eles na maior parte do tempo discutem internamente sobre como o outro grupo deixa-os irritados.
Isso tudo não é pra dizer que não há porque discutir, ou que não há coisas que valem apena tentar mudar. Germes mentais de todos os tipos vem e vão. Mas é útil saber como esses germes podem usar nossas emoções para se espalhar, e quanto mais rápido um germe se espalha, mais chances ele tem e se tornar cada vez melhor em se espalhar através as mudanças aleatórias que ocorrem com eles. Às vezes é bom, às vezes é ruim. Mas se você quer manter um cérebro saudável, vale a pena ter cuidado com pensamentos que já passaram por uma grande quantidade de outros cérebros que tentam atingir onde o seu é mais fraco.

Seja higiênico.

 

Fonte: C.G.P. Researches

Tradução e adaptação: yinconsciente

Por favor, lembre-se de compartilhar trechos ou textos completos do blog sempre com os devidos créditos!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s