Novo Mundo GMO – Organismos Geneticamente Modificados

 

Gene-Editing-10

Enquanto os países ao redor do mundo ainda estão encarando os riscos e experienciado as consequências ambientais das plantas geneticamente alteradas (GE), as empresas de bio tecnologia já estão se movendo em direção ao seu próximo alvo – insetos.

Vale lembrar que os transgênicos fazem parte da nossa vida desde a década de 1970 (!!!) e atualmente, a produção de transgênicos está difundida em praticamente todas as regiões agrícolas do planeta, e a adoção da biotecnologia pelos produtores atinge níveis nunca alcançados por outras tecnologias em toda história da agricultura. Em 2009, culturas modificadas geneticamente foram plantadas por mais de 14 milhões de agricultores, em 134 milhões de hectares, distribuídos em 25 países. O Brasil ocupa o segundo lugar entre os países com maior área cultivada com transgênicos no mundo, cerca de 21,4 milhões de hectares, atrás apenas dos Estados Unidos com 62,5 milhões de hectares (Isaaa, 2010).

Já existem muitas espécies animais modificadas pelo homem, o primeiro fora as moscas de fruta há décadas atrás. Hoje já temos espécies geneticamente modificadas de frango, boi, salmão, camundongos, o mosquito da dengue, e agora o mais recente projeto de ciência, uma cortesia de pesquisadores da Universidade da Califórnia, são os mosquitos geneticamente modificados para parar a propagação da malária. Em teoria, a ideia parece promissora, ao menos na superfície…

Os pesquisadores injetaram os mosquitos Anopheles stephensi com um segmento do código do DNA que os torna resistentes ao parasita causador da malária. Além disso, uma técnica de “gene dirigido” (que é bastante controversa) foi usada permitindo que os “frankenbugs” passem seus genes resistentes para seus descendentes.

Em um recente estudo, 99,5% dos descendentes dos mosquitos transgênicos criados contêm os genes de bloqueio de malária. Se os mosquitos mutantes são soltos na natureza, acasalando, assim, com as populações selvagens, seu DNA modificado iria passar livremente para seus descendentes. Os pesquisadores acreditam que isso poderia, teoricamente, acabar com mosquitos transmissores da malária para humanos e, finalmente, eliminar a malária. Alguns especialistas acreditam que estamos apenas há alguns anos de distância para liberar esses mosquitos transgênicos no meio ambiente, onde seu DNA modificado “pode se espalhar através de uma população selvagem como um incêndio.”

Mas a que custo? Enquanto a noção de exterminar a malária – uma doença que mata cerca de meio milhão de pessoas por ano – é intrigante, ninguém sabe as consequências da liberação de DNA geneticamente modificado para a vida selvagem.

Como o Jornal The Washington publicou:

“O que é mais assustador? Mexer com o DNA do mosquito, ou malária? … Sem a devida cautela, alguns cientistas alertam, unidades de genes podem gerar desastres ecológicos. Sem considerações sólidas, poderíamos desencadear monstros. “

Uma vez que a Tecnologia de ‘Gene Dirigido’ for liberada, não há como voltar atrás!

A tecnologia “drive Gene/Gene dirigido”, que está em estudo há cerca de uma década, permite que os cientistas não apenas inseriram as mutações genéticas específicas no DNA, mas também que assegurem que esses genes modificados sejam passadas para a prole. A tecnologia está inclinado para a herança dos genes GE, de tal modo que eles possam chegar até a populações inteiras. É esta última questão que os torna tão controverso, especialmente porque os avanços tecnológicos superaram em muito as discussões políticas e regulamentares necessárias antes que a técnica seja utilizada para projetar às populações selvagens.

Conforme relatado pelo The Washington Post:

“A malária é apenas o começo. Os geneticistas têm sugerido outros tipos de unidades de genes que poderiam ser implementadas para resolver os problemas do mundo. Se nós podemos projetar mosquitos, poderíamos eliminar pragas invasoras como o python na Flórida, fortalecer espécies ameaçadas pelo aquecimento global, e melhorar a fome no mundo por cultivo de culturas mais abundantes. Mas o devaneio é atrofiado por temores de consequências inesperadas …

O que acontece se novos genes introduzidos acabarem por ter efeitos inesperados a longo prazo em uma espécie? Ou em outras espécies que poderia cruzar-se com? Quais são as chances de uma mutação inesperada?

O Gene Dirigido vai mudar a conversa completamente. Isso porque não há nenhum recurso de ‘saída’ na tecnologia de acionamento gene. As pessoas podem ter objeções a alimentos geneticamente modificados, mas eles não terão o que comer. “

Engraçado que eles sempre citam o fator fome em suas justificativas para cultivo desses novos organismos, mas a fome continua e nós não temos mais opções de alimento.

No caso dos mosquitos com genes modificados (GE) liberados na natureza, as pessoas que vivem nessas áreas não têm escolha sobre a exposição – e nem as outras espécies que interagem. O que acontece, por exemplo, se um bastão come um mosquito GE? E o que acontece se um dos mosquitos transgênicos te morde? Será que seu DNA GE será injetado no seu braço ou perna? Estas são questões que ainda não têm resposta.

A FDA considera o lançamento de mosquitos GE na Flórida

worrisome1.jpg.opt353x426o0,0s353x426

Os mosquitos modificados para resistir a malária não são os únicos mosquitos transgênicos que podem um dia chegar até você.

As Empresas de Biotecnologia “Oxitec” e a “Florida Keys Mosquito Control District” (FKMCD) tem um plano para introduzir os mosquitos modificados com um gene fatal na área, em uma tentativa de impedir a propagação da dengue e chikungunya, doenças tropicais transmitidas por mosquitos Aedes. Estranhamente, FKMCD afirmou: “A febre de dengue e chikungunya não constituem atualmente uma ameaça à saúde ativa na Florida .” No entanto, eles estão aparentemente dispostos a arriscar as conseqüências desconhecidas de lançar uma espécie GE para a vida selvagem de qualquer maneira. O plano está a ser revisado pela FDA (EUA Food and Drug Administration). Se for aprovado, mosquitos GM machos serão lançados pela Florida Keys até três vezes por semana. Por agora, a FDA disse que não tem um cronograma de quando sua revisão será concluída. Vale lembrar que no Brasil isso já ocorre desde o ano passado devido aos surtos de dengue.

Infelizmente, eles têm uma longa história em jogar os princípios de precaução ao vento, como em sua recente aprovação de Salmões de rápido crescimento, os GE, o primeiro animal Geneticamente modificado nos EUA. Portanto, é muito possível que eles logo aprovarem a liberação de mosquitos transgênicos.

As Preocupações!

Os mosquitos da engenharia Oxitec são diferentes de qualquer um existente na natureza. Eles foram geneticamente alterados para transportar um “uma mudança matadora genética”, de tal forma que quando eles se acasalam com as fêmeas dos mosquitos selvagens, sua prole herda um gene letal e não pode sobreviver.  A intenção é a de suprimir a população desses mosquitos. Para conseguir este feito, Oxitec inseriu fragmentos de proteínas do vírus da herpes, Escherichia coli, corais e repolho em insetos, que são nomeados como OX513A. Os mosquitos transgênicos têm-se revelado letal para as populações de mosquitos nativos. Nas Ilhas Cayman, por exemplo, os mosquitos nativos foram suprimidos por 96% depois de mais de três milhões de mosquitos transgênicos foram soltos na área, com resultados semelhantes no Brasil.

Mas, como vimos no passado com organismos geneticamente modificados (GMO), quando você mexe com a natureza, ela muitas vezes volta para mordê-lo. Há vários problemas gritantes ao assumir que esses insetos modificados são seguros para a população humana ou para o ecossistema mais amplo. As principais preocupações.:

  1. O potencial existente para estes genes, que viajam a partir de um lugar para outro, podendo infectar o sangue humano através lesões de pele ou poeira inalada. Essa transmissão pode potencialmente causar estragos ao genoma humano através da criação de “mutações de inserção” e outros tipos de danos no DNA que são imprevisíveis.
  2. De acordo com Alfred Handler, geneticista do Departamento de Agricultura do Havaí, os mosquitos podem desenvolver resistência ao gene letal e pode então ser liberada inadvertidamente. Todd Shelly, um entomologista para o Departamento de Agricultura do Havaí, disse que 3,5 por% dos insetos em um teste de laboratório sobreviveram à idade adulta, apesar de, presumivelmente, transportar o gene letal. Essa resistência pode aumentar naturalmente ao longo do tempo.
  3. Tetraciclina e outros antibióticos estão agora aparecendo no meio ambiente, em amostras de água do solo e da superfície. Esses mosquitos GE foram projetados para morrer na ausência de tetraciclina (que é introduzida no laboratório, a fim de mantê-los vivos por tempo suficiente para se reproduzir). Eles foram concebidos desta forma assumindo que eles não teriam acesso a essa droga em estado selvagem. Mas, com a exposição ambiental tetraciclina (por exemplo, em um lago) esses insetos mutantes podem prosperar em estado selvagem, potencialmente criando um cenário de pesadelo.

A corporação Oxitec não para por aí com os mosquitos modificados. Eles também estão atualmente testando em campo uma versão GE da traça da couve, considerada uma ‘praga’ agrícola, especialmente para culturas como o repolho, brócolis e couve-flor. Até à data, os pesticidas são a “solução” para controlar mariposas diamondbacks, que causam cerca de US $ 4 bilhões para $ 5 bilhões em danos às culturas agrônomas nos EUA a cada ano. No entanto, as traças, que eram a primeira praga agrícola a se tornar resistente ao DDT (Dicloro), estão rapidamente se tornando resistentes aos pesticidas químicos, deixando os pesquisadores à procura de outras vias de controle. A traça produziada pela Oxitec é semelhante aos seus mosquitos transgênicos, em que as fêmeas são projetados para morrer antes de atingirem a idade adulta. Isto significa que, eventualmente, a espécie se extingue pois não pode mais se reproduzir. As traças transgênicas já foram testadas em laboratório no Reino Unido e participaram de alguns ensaios de campo “enjaulados” no Verão de 2015, em Nova York. Durante os ensaios, as traças foram liberadas ao ar livre em uma área contida. Mais estudos são planejados para a Primavera de 2016 com testes em campo aberto, potencialmente na chegada do verão. Este seria o primeiro lançamento experimental de insetos transgênicos em solo americano. Muitos se opuseram os ensaios de campo, incluindo GeneWatch UK, o Centro de Segurança Alimentar, Amigos da Terra, Food and Water Watch, e a Associação de Fazendas Orgânicas de Nova Iorque (NOFA-NY), como relata o The Washington Post:

“Estamos preocupados como será os efeitos desses ensaios fora das gaiolas”, disse Liana Hoodies, assessora de política no Nordeste Farming Association of New York (NOFA-NY), citando preocupações de que as traças/mariposas GE poderiam se espalhar além de seus locais de ensaios e começarem a aparecer nas fazendas dos produtores privados. Hoodies disse que a NOFA-NY gostaria de ver uma análise de impacto sobre os possíveis efeitos das traças/mariposas GE sobre as espécies não visadas – isto é, organismos além traças diamondback – em caso elas venham a ser comidas por aves ou outros animais ou mesmo acidentalmente consumido por humanos.”

 

Há décadas estamos estudando e criando novas formas de vida com DNA alterado, estamos transformando nosso meio ambiente e a nós mesmos, já que ingerimos essa comida diferente e essa água, que até então, o ser humano nunca tivera contato. No Brasil e no resto do mundo já há diversas evidências de que tais práticas agrícolas e alimentares podem causar consequências incertas, como novos tipos de câncer e outras doenças. Até nossos animais de estimação estão a mercê dessa nova realidade. Há novas plantas e animais no Jardim, plantas feitas pelo Homem…. O que será? Ou melhor, o que CAUSARÁ?

Nesse site tem uma Linha do Tempo dos Estudos em Biotecnologia, muito interessante observar o processo desde 1950 e só em meados de 2012 que ouvimos tais assuntos vindo à tona. Alguns momentos dessa linha do tempo, você talvez até se lembre. Confira clicando AQUI.

Leia também: A Monsanto está destruindo os grãos e a vida de todos  para entender a mentira vendida em forma de T!

Fontes:  BBC + Agri Sustentável + Scielo + WakeUp World

Tradução + Elaboração: NM

Por favor, lembre-se de compartilhar trechos ou textos completos do blog sempre com os devidos créditos!

Anúncios

Um comentário sobre “Novo Mundo GMO – Organismos Geneticamente Modificados

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s