Índios vigilantes lutam para proteger a Amazônia

5_Brazil’s-forest-villagers-Illegal-Loggers

Armados com arcos e flechas, espadas, rifeis e agora também com GPS e câmeras, a tribo Ka’apor se recusa perder suas terras para madeireiros ilegais. Deixados apenas com promessas vazias do governo, os nativos passaram a se encarregar da “conservação natural através de confrontos agressivos”.

3_Brazil’s-forest-villagers-Illegal-Loggers

Vivendo na região rural de Alto Turiaçu, ao menos 2 mil índios estão protegendo a densa floresta que já perdeu 5.733 de seus hectares para a retirada de madeiras ilegais entre 2007 e 2013. Áreas onde os madeireiros desarraigam sem dó perderam a sua antiga beleza que é marcado por interesses criminosos privados. Estas áreas serão nada além de tocos por décadas…

Em 2011, a tribo passou a patrulhar. Desde então, os madeireiros tem sido rodeados, suas cargas queimadas, suas mãos amarradas, e suas calças retiradas em situações mais extremas, na tentativa de usar a humilhação para manter os ameaçadores fora de caminho. Um dos líderes da tribo descreve o encontro com os Guardiões como “parece um filme: eles lutam contra nós com facões, mas sempre os expulsamos”. 

4_Brazil’s-forest-villagers-Illegal-Loggers

7_Brazil’s-forest-villagers-Illegal-Loggers

Mas proteger suas terras vem com um preço alto. Os índios Ka’apor tem morrido e mais uma dúzia de seus líderes foram torturados e assassinados brutalmente. Um dos líderes foi baleado enquanto retornava de uma visita a seu filho. Apesar da ligação entre as mortes e os madeireiros, nenhuma prisão foi efetuada. Em 2014, o Tribunal Federal ordenou a criação de postos de segurança na área, mas até hoje nem uma única estação fora erguida.

O Greenpeace Brasil decidiu se mexer e proveu à tribo tecnologias de vigilância que está mudando o jogo a seu favor. A organização anunciou que “juntos, o Greenpeace e a tribo Ka’apor são capazes de criar mapas mais apurados da região através da instalação de câmeras de sensor de movimento e temperatura para documentar as invasões madeireiras no território. O Greenpeace também forneceu aparelhos eletrônicos de rastreamento para monitorar os caminhões madeireiros e como eles viajam em torno do Alto Turiaçu”.

6_Brazil’s-forest-villagers-Illegal-Loggers

A nova tecnologia está possibilitando uma grande coleta de informações precisas, o que pode se tornar uma alavanca para forçar o governo prestar apoio.

Sem a ajuda governamental, há poucos indícios de que essa situação possa ser completamente controlada. Como a supervisão é fraca, os madeireiros forjam facilmente documentos para fazer sua madeira parecerem legal. O site de notícias The Guardian reporta que o corte ilegal está aumentando. Em uma entrevista, o pesquisador sênior da Imazon, Paulo Barreto disse, “a situação está piorando rapidamente. A área de corte ilegal cresceu 151% no Pará e 63% no Mato Grosso entre os anos de 2011 e 2012”. O Greenpeace reporta, “Entre 2007 e 2008 a floresta da Amazônia perdeu cerca de 3 milhões de acres de floresta tropical para a  extração ilegal de madeira, plantações de soja, pecuária e outras atividades humanas.”

2_Brazil’s-forest-villagers-Illegal-Loggers

Marina Lacorte do Greenpeace Brasil aponta uma importante questão: “Se a tribo Ka’apor está protegendo seu território com poucos recursos e suporte tecnológico, POR QUE o governo não consegue fazer o mesmo?”

Abaixo segue um vídeo que mostra os estragos que ecoam e vão continuar ecoando e como a luta ainda continua..!!!

Pois é, a situação tá difícil. Sem contar que mais de 60% da medicina moderna provém sua matéria prima da Floresta Tropical Amazônica e nem 50% de sua potencialidade fora explorada até então. A Terra e seus habitantes perdem, menos aqueles que tem interesses privados nesse gran negócio! $___$

Procure sempre se informar, muita coisa tá rolando além do campo de visão…

Fontes: The Plaid Zebra + The Guardian + Imazon + Notícias Terra

Tradução + elaboração: NM

Por favor, lembre-se de compartilhar trechos ou textos completos do blog sempre com os devidos créditos!

Anúncios

Um comentário sobre “Índios vigilantes lutam para proteger a Amazônia

  1. pedro marcon neto disse:

    Me orgulho dos índios Ka¨apor, faço votos que eles criem um país independente na Amazônia, com apoio de países estrangeiros, que usem a tática de guerrilha, e lutem pelo que é seu de direito !

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s