O Livro de Enoque – “Os Gnósticos e Suas Relíquias” [1887]

1887

Iniciaremos hoje a tradução de mais um livro incrível contendo os ensinamentos antigos. De 1887, o “The Gnostics and Their Remains” que em tradução livre para o português fica “Os gnósticos e Suas Relíquias”. No meio do Século 19, oitenta anos antes da descoberta de um tesouro de manuscritos gnósticos em um lixão no Egito, o Rei Charles William reuniu o que se sabia sobre os gnósticos neste livro. Naquele tempo havia apenas três fontes de informação sobre o gnosticismo: polêmicas contra eles por escritores cristãos, o Pistis Sophia, e um amontoado de imagens confusas e inscrições em pedras enigmáticas da era romana e alguns amuletos. Gnóstico é um termo que deriva do grego “gnostikós” cujo significado remete para algo ou alguém que é capaz de conhecer.

O gnosticismo designa um conjunto de crenças de natureza filosófica e religiosa cujo princípio básico assenta na ideia de que há em cada homem uma essência imortal que transcende o próprio homem. De acordo com o gnosticismo, o caminho para a libertação desses sofrimentos é através do conhecimento. Não um conhecimento adquirido de forma racional e com base científica, mas um conhecimento intuitivo e transcendental que dá sentido à própria vida humana. Sua origem é proveniente em várias seitas religiosas anteriores ao cristianismo, mas nos primeiros séculos da era cristã chegou a misturar-se com o próprio cristianismo. Posteriormente veio a ser declarado como pensamento herético. Começaremos pelo curto capítulo que cita o Livro de Enoque, excluído da Bíblia.

O LIVRO DE ENOQUE

fig01

Este é o mais antigo das Escrituras Hebraicas a ser referido como a mais alta autoridade pela Æon Pistis Sophia. O Livro de Enoque, embora muitas vezes citado pelos Padres, tinha sido perdido desde o século VIII (com a exceção de alguns capítulos de uma versão grega preservada por Georgius Syncellus), até que Bruce trouxe de volta três cópias a partir de Abissínia. No cânon da Igreja que leva o seu lugar no Antigo Testamento, antes do livro de Jó. Este livro é dividido em noventa capítulos e começa com o prefácio:. “Em Nome de Deus, o misericordioso e compassivo, lento em sua raiva e grande em misericórdia, a santidade. Este Livro é o Livro de Enoque, o profeta, a bênção de Maio que ajuda a estar com Ele que o ama, para todo o sempre. Amém. Capítulo I”. Esta é palavra da bênção de Enoque para os escolhidos e os justos. Enoque levantou a voz e falou, o santo homem de Deus, enquanto seus olhos estavam abertos, uma santa visão dos céus os anjos revelaram. E eu ouvi tudo, e eu entendi o que eu vi. Após este fato segue a história dos anjos, que desceram do céu, e produziram os gigantes com as filhas dos homens;. que o instruiram nas artes da guerra e paz, e os ensinou sobre luxo. Os nomes dos principais anjos são mencionados, que parecem ser de origem hebraica, mas corrompido por pronúncia grega. A resolução de Deus para destruir estes é então revelado a Enoque. Esses tópicos ocupam cerca de dezoito capítulos. A partir do décimo oitavo ao capítulo quinquagésimo, Enoch é liderado pelos anjos Uriel e Raphael através de uma série de visões não relacionadas com a anterior. Ele viu o Vale das Chamas dos anjos caídos, o paraíso dos santos, os extremos confins da terra, os tesouros dos trovões e relâmpagos, ventos, chuva, orvalho, e os anjos que presidiram estes. Ele foi levado para o lugar do Juízo Geral, viu o Ancião dos Dias em seu trono, e todos os reis da terra antes dele. No quinquagésimo segundo capítulo, Noé é dito ter sido alarmado em respeito a enorme maldade da humanidade e, temendo a vingança, implorou o conselho de seu grandioso Pai. Enoque disse-lhe que uma inundação de água iria destruir toda a raça humana, e um dilúvio de fogo puniria os anjos que o dilúvio não podera afetar. No Capítulo LIX, o tema dos anjos é retomado, Semeiza, Artukaru, Arimeon, Kakabael, Tusael, Ramiel, Damdal, e outros que somam vinte, aparecem à frente dos espíritos caídos, e mostram exemplos frescos de suas disposições rebeldes. No capítulo LXII, Enoch dá seu filho Matusalém um longo relato do sol, lua, estrelas, o ano, os meses, os ventos, e os fenômenos físicos. Isso leva-se oito capítulos. Os  vinte capítulos restantes são empregados sobre a história do Dilúvio, preparações de Noé para ele, e o sucesso que eles assistiram. A destruição de toda a carne com exceção de sua família, e a execução da vingança divina sobre os anjos concluem o trabalho.

~~***~~

Este capítulo é pequeno, infelizmente, traz pouca luz à passagem de Enoque na Bíblia, porém iremos trazer mais informações sobre este assunto que é muito interessante e um tanto esclarecedor, ligando várias passagens bíblicas que sozinhas não fazem muito sentindo no velho e no novo testamento. Até a próxima! 😉 Espero que sirva de introdução aos conhecimentos gnósticos antigos.

Fonte: Sacred Texts

Tradução: NM

Por favor, lembre-se de compartilhar trechos ou textos completos do blog sempre com os devidos créditos!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s