Mestre ou Desastre: a arte de viver entre a Mente e Não-Mente

mark-henson-reality-1024x819

“Um caminho espiritual genuíno não evita dificuldades ou erros, mas nos leva a arte de fazer erros despertos, trazendo-os para o poder transformador do nosso coração.” -Jack Kornfield

Seu ego é um instrumento, uma ferramenta, o mecanismo de alavancagem primitivo do self. Alguns até dizem que é o self. Ele está lá para equilibrar (mestre) ou dissociar (desastre) a nossa energia única, com a energia primordial do cosmos. É para sempre o meio de conexão e desconexão, de apego e desapego, dividida entre finitude e infinito. Quando o ego está sendo usado para dissociar, sua energia é co-dependente e é dividida entre o lamacento passado e o estar ansioso sobre o futuro.

Como resultado, a psicose segue. No entanto, quando o ego está sendo usado para equilibrar-se, a sua energia se torna interdependentes, e é liberada a partir do passado e livre para criar o futuro. Como resultado de um processo de iluminação saudável segue. Há uma experiência out-of-mind (fora-da-mente). De fato, uma experiência mental elevada de desapego saudável chamado Não-mente.
Nossos egos modernos tendem a se inclinarem mais para dissociação, já que a maioria de nós fomos criados em culturas disfuncionais e dissociativas, e a maioria de nós nem sequer estão conscientes de que grau se encontra. Devido a isso, estamos atormentados com uma infinidade de problemas psicológicos que grosseiramente afetam nossas percepções ontológicas. Em suma: somos desastres ambulantes.

Para SER humano hoje é ser parte de uma ilusão existencial desconcertante -que indivíduos humanos são agentes- independentes, que cobram um pedágio emocional e psicológico pesado sobre nós. É a fonte de toda a ansiedade, inveja, ciúme, raiva e violência que segue inevitavelmente. O Homem Moderno é uma espécie conturbada na verdade, ele só pode afirmar O que ele não é; e de que ele É positivamente, permanece obscura e envolta em dúvida. Nós nos tornamos dissociados da natureza finita e cosmo infinito: o nosso verdadeiro eu. E nós estamos precisando de cura. Mas, como Lao Tzu opinou, “Novos começos são muitas vezes disfarçados de terminações dolorosas.”
O final da nossa dissociação desenfreado é uma domesticação de nosso ego e um desapego do nosso apego à mente.

Tudo está conectado. Nós todos sabemos isso. Nossos limites são fluidos e turvos. Eles não são até mesmo as fronteiras de todo, apenas a ilusão de um limite!!!!.
Estamos todos profundamente ligados de forma quase imperceptível. Como Alan Watts disse: Ser ou não ser” não é a questão – porque você não pode ter um sem o outro! Não-estar implica estar; assim como ser implica não-ser. Os existencialistas no Ocidente – que ainda tremem diante da escolha entre o ser e o não-ser e, portanto, dizem que a ansiedade é ontológica – não compreenderam este ponto ainda. Quando o existencialista que treme com a ansiedade perante a escolha percebe de repente, um dia em que o não-ser implica ser, o tremor de ansiedade se transforma em riso.”

Um mestre é necessário para resolver o desastre do self. Este mestre jaz adormecido dentro de todos nós. Ele só pode ser encontrado por ter a experiência out-of-mind da não-mente. Ali, no meio do silêncio, o mestre está meditando. O mestre está ligado à fonte de todas as coisas, sua fiação lótus de mil pétalas como uma galáxia acima de sua cabeça.

Está irradiando para dentro de você, repleto de sabedoria e enésimos-graus-perguntas. É o oráculo, todos dançando, todos rindo de si primordial. E isso só pode ser encontrado lá, no silêncio, entre inspirar e expirar, entre o ser e o não-ser, entre mente e não-mente. Há, acima de pensar, a fonte da criatividade humana: o lugar onde artistas, poetas, músicos e até mesmo os cientistas descobriram os segredos do universo.

Como Leonard Cohen disse: Você perde a sua aderência, e então você escorrega para a obra-prima.”

O que é realmente necessário para se tornar um mestre de si mesmo nesta vida é a capacidade de desencarnar e encarnar à vontade, para dissolver o ego e também usar o ego como uma ferramenta para o pensamento superior. Desencarnação é a dissolução do ego e aquietar a mente. Encarnando está aproveitando o ego como uma força da natureza, usando-o como uma ferramenta para uma maior exploração. No meio é onde a magia está, onde Shakti e Shiva dança eternamente. A condição humana é como uma cobra que devemos lançar constantemente a fim de abraçar o novo. 

Como Eckhart Tolle disse: “Pensar e consciência não são sinônimos. Pensar é apenas um pequeno aspecto da consciência. O pensamento não pode existir sem a consciência, mas a consciência não precisa de pensamento.”

Texto: Master or Disaster: The Art of Living Between Mind and Not-Mind (Fractal Enlihtenment http://fractalenlightenment.com/…/master-or-disaster-the-ar…)

Traduzido: Nayara Marques

Por favor, lembre-se de compartilhar trechos ou textos completos do blog sempre com os devidos créditos!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s